CAVALGANDO NUVENS

 

direção: Rabih Mroué

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Após violência, o protagonista deixa de distinguir realidade e representação. O mesmo, talvez enquanto procedimento, acontece com a peça que busca comentar, desdobrar e investigar uma lesão cerebral e seus efeitos. O performer persegue uma trilha de ações que ao invés desmistificar a experiência desta realidade distante, opta por fazer do público uma presença desimportante e remota. Posto que inventar é coisa rara na trajetória do sapiens, ao vermos um artista que busca por novas formas, corajosamente, devemos fazermos perguntas sensatas ao material surgido. Cavalgando Nuvens seria algo maior ou menor se aceitasse a representação como potência? A realidade e todos os maneirismos que utilizamos para fingir agarra-la são, ou não, capazes de sobrepor uma "catarse puro-sangue"?

(MARCIO TITO)

 

As formas possíveis de contar uma história é a premissa. A premissa do diretor, que assim como no outro trabalho que também fala sobre a memória lança mão desse recurso. Muito alem da provocação ao tornar dúvida o que é ficção e o que é realidade, a personagem se universaliza. Se coloca em pé de igualdade com qualquer outra história possível de qualquer dos muitos personagens que assistem. O ato de verbalizar racionalmente a negação da empatia acaba se tornando a razão principal para que a peça se torne empática e assuma contornos emocionais. Não entendo uma palavra que ele diz ao cantar uma canção na língua nativa, mas entendo exatamente o que ele quer dizer. Quem se importa se aqueles fatos aconteceram da forma com que foram relatados? Ser verdadeiro apenas na morte, atuar ao longo de uma vida inteira, sonhar para entender que as representações podem ser muletas contra o sofrimento. No fundo, quero ser compreendido. Desse modo, crio meu mundo, cavalgo no cavalo que vejo formado nas nuvens e estabeleço relações com aqueles que não estão mais aqui. Quem se importa com o que aconteceu? Se eu disse, aconteceu.

(MARIA TERESA CRUZ)

 

foto Bernhard Mueller

 

 


 

 

Tags:

Please reload